Associação de funcionários do Banco Mundial critica indicação de Abraham Weintraub e cita declarações contra a China

weintraub lincoln

Abraham Weintraub aproveita tempo ocioso para visitar monumentos em Washington DC. Enquanto isso, associação de funcionários do Banco Mundial lembra suas declarações contra a China e os chineses. Fonte: Página  de Abraham Weintraub no Twitter

A Associação de Funcionários do Banco Mundial (WBG Staff Association) divulgou nesta quarta-feira (24) a carta enviada ao ao Conselho de Ética da instituição com críticas duras ao ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub. No texto, os signatários pedem que a nomeação do ex- ministro da Educação do governo Bolsonaro a um cargo no banco seja reavaliada.

O documento pede, ainda, que haja uma apuração sobre declarações de caráter racista dadas por Weintraub — no inquérito enviado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à primeira instância —, que o ex-ministro seja notificado pelo banco e que sua nomeação como diretor executivo no conselho administrativo fique suspensa até o fim das investigações.

“Solicitamos formalmente ao conselho de ética que reveja os fatos por trás dessas múltiplas alegações, com intenção de a) colocar sua indicação em espera até que essas alegações possam ser revisadas e b) garantir que o Sr. Weintraub seja avisado de que o tipo de comportamento pelo qual ele é acusado é totalmente inaceitável nesta instituição.”

wp-1593035052277.jpg

Enviada a todos os funcionários do banco, a carta cita as ameaças feitas por Weintraub a ministros da Suprema Corte do Brasil, além dos comentários racistas que o ex-ministro fez contra a China e minorias, como a população indígena brasileira.

“De acordo com múltiplas fontes, o senhor Weintraub publicou um tuíte de carga racial, ridicularizando o sotaque chinês e culpando a China pela COVID-19, e acusando os chineses de ‘dominação mundial’; levando a Suprema Corte a abrir uma investigação por crime de racismo.”

Segundo a associação, “o Banco Mundial acaba de assumir uma posição moral clara para eliminar o racismo em nossa instituição” e, portanto, o comportamento do ex-ministro é inaceitável.

Como se vê, enquanto estiver diretor executivo do Banco Mundial, Weintraub terá que se comportar de acordo com os protocolos do cargo; coisa que ele ignorou completamente enquanto foi ministro da Educação do governo Bolsonaro.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s