É preciso parar o Acordo Mercosul – União Europeia

Há um ano, Bolsonaro, Macri, Macron e Merkel anunciaram a “maior área econômica do mundo”. Mas nada virá do acordo.

FILE PHOTO: An aerial view shows a deforested plot of the Amazon near Porto VelhoFloresta destruída em Porto Velho, Rondônia, Brasil. Foto: Ueslei Marcelino / Reuters

A campeã mundial de exportação da Alemanha sempre foi a defensora mais veemente dos chamados acordos de livre comércio . Durante a Presidência do Conselho da União Europeia (UE), o governo alemão quis promover dois acordos comerciais transatlânticos – um TTIP light e o “Acordo de Associação” com a união aduaneira da América do Sul Mercosul, que foi proclamada bombasticamente há um ano.

Mas com o coronavírus, as prioridades mudaram : dada a crise sistêmica, a máxima de Angela Merkel e Emmanuel Macron é agora salvar a UE neoliberal. Sob o lema “Europa global”, a Comissão da UE tenta, desde 2006, tornar suas empresas mais competitivas e amarrar os países do sul como fornecedores de matérias-primas e compradores de excedentes agrícolas da UE, por exemplo, através de acordos de “livre comércio”. Como a pioneira da Attac, Susan George, preferimos falar de contratos de vampiros – se vierem à luz, as coisas são ruins para eles, raramente resistem a um debate democrático.

O Acordo Mercosul – UE é um exemplo didático. O projeto foi lançado no Rio em 1999, quando o neoliberalismo na América do Sul já havia passado do zênite. Mas então veio a onda rosa com Lula da Silva no Brasil, Néstor Kirchner na Argentina e Hugo Chávez na Venezuela. Em 2005, na presença de George W. Bush, os três políticos de esquerda em Mar del Plata, Argentina, enterraram outro projeto neo-imperial: a zona de livre comércio da ALCA do Alasca à Terra do Fogo.

A nova autoconfiança no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai também impôs um acordo assimétrico com a União Européia, e as negociações foram lentas. Por outro lado, por boas razões, a UE nunca abriu suas portas para a carne bovina e a soja geneticamente modificada do Mercosul sem limites. Uma “parceria estratégica” entre Alemanha e Brasil não mudou esse fato desde 2008.

Design conhecido apenas no esboço

A maré virou com o golpe frio contra a sucessora de Lula, Dilma Rousseff, em 2016, a escandalosa condenação e prisão de Lula e a subsequente vitória de Jair Bolsonaro: com o extremista de direita assumindo o cargo no início de 2019 – na Argentina, o empreendedor neoliberal Mauricio Macri – as negociações estavam em andamento de repente em pleno andamento. Depois de apenas seis meses, havia um rascunho na sala que ainda é conhecido apenas em detalhes. No entanto, Bolsonaro, Macri, Macron e Merkel celebraram o acordo político na cúpula do G-20 em Osaka no final de junho de 2019 – também como um sinal contra o protecionismo de direita à Trump.

Esse acordo avançaria ainda mais a recolonização da América do Sul. Mas isso não é do interesse do povo de ambos os lados do Atlântico, nem da natureza, como mostram os estudos de Misereor, Greenpeace ou European Greens. Se fosse assinado e implementado, seria um triunfo das corporações transnacionais e sua lógica de lucro.

Desde 1492, a Europa está particularmente interessada em recursos como ouro, madeira preciosa e agora lítio na América Latina. Após as tentativas de emancipação nos anos 90, os países do Mercosul também devem ser “reprimidos”. Na melhor das hipóteses, os negócios agrícolas e o setor de importação se beneficiariam de uma redução gradual das barreiras tarifárias. Trabalhadores, pequenos agricultores e povos indígenas, por outro lado, pagariam pelo estabelecimento do capitalismo dos proprietários de escravos, destruindo ainda mais seus direitos e meios de subsistência.

A liberalização planejada do comércio exacerbaria a pressão salarial e os cortes de empregos.De acordo com a Comissão da UE, os grupos devem economizar 4 bilhões de euros em impostos anualmente. Eles também esperam encontrar novas oportunidades de negócios nos setores de telecomunicações e TI. Além de uma expansão ecologicamente sem sentido do comércio mundial, os negociadores da UE insistem em aumentar a proteção de patentes, o que prejudicaria o fornecimento de sul-americanos, por exemplo, com genéricos acessíveis. As multinacionais da UE devem poder desempenhar um papel igual nas compras do governo no Mercosul, que costumam ser usadas para fortalecer as empresas locais. No entanto, ainda não existem sanções por compartilhar a responsabilidade por crimes ambientais ou violações de direitos humanos.

Jogo fácil com governos neoliberais

Com os governos neoliberais do Brasil, Paraguai e Uruguai, a UE tem um trabalho fácil. Mesmo sendo cortejados pela Câmara de Comércio Alemão-Brasileira: é escandaloso que o desumano destruidor de florestas tropicais Bolsonaro e seus militares sejam parceiros de uma Europa democrática. A Argentina é diferente: o presidente Alberto Fernández, um social-democrata equilibrado, governa o país desde dezembro de 2019. Como seu velho amigo Lula, ele quer relacionamentos ao nível dos olhos e, portanto, é ignorado pela mídia predominantemente conservadora – ou difamado como coveiro pelo Mercosul.

A destruição não apenas da região amazônica, mas também dos ecossistemas ricos em espécies Cerrado e Chaco, já é dramática, eles precisam dar lugar a monoculturas com risco de vida. Mas a Bayer-Monsanto quer vender ainda mais sementes transgênicas e venenos agrícolas, a Tönnies & Co. importa soja transgênica. BMW, Daimler e VW, cuja administração brasileira já trabalhou com os torturadores da ditadura militar há quase 40 anos, não usariam mais peças de automóveis argentinas, mas chinesas, a longo prazo.

O acordo UE-Mercosul é um projeto neocolonial, anti-humano e ambiental, na verdade um único anacronismo – e, portanto, fracassará.

fecho

Este artigo foi publicado originalmente em alemão e foi publicado pelo Die Tageszeitung [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s