Paulo Guedes, o primata neoliberal

Monkey Uncle Sam with pointing finger at viewer. Vintage engraving

Seguindo uma prática política, Bolsonaro fez acordos espúrios para se eleger presidente do país. Dentre esses acordos, o mais notório é com o mercado financeiro – materializado na figura de Paulo Guedes. O Ministro da Economia ostenta o apelido de primata neoliberal, atribuído em razão de sua total incapacidade de pensar num Estado-Nação. Ainda assim, a incompetência e o fracasso de sua equipe frente à pasta não parecem intimidar nem abalar a convicção que o ainda ministro nutre por encaminhar o país ao colapso social.

Estamos diante de um comportamento que pode ser desvendado ao lançar um olhar atento aos fatos: o que move e estimula nosso ministro são as bananas jogadas pelos famosos “investidores internacionais”, que o fazem como recompensa a cada truque bem executado pelo primata. De fato, talvez seja uma cena pitoresca, já que não é sempre que nos deparamos com um primata de terno e gravata ostentando títulos da Escola de Chicago. A cartilha de Guedes é óbvia e previsível. Todos sabem quais serão suas reações e opiniões – mesmo assim, parecem não conseguir conter o impulso suicida de colocarem uma granada em suas mãos, mais interessados pelo espetáculo do que se importando com o desastre.

Da mesma maneira, há pouco presenciamos o flagrante episódio em que o ministro da economia deste país esteve usando seu Terminal Bloomberg – uma espécie de teclado utilizado para operar em tempo real nas Bolsas de Valores. Não bastasse estar operando no mercado de ações durante o expediente como chefe da economia brasileira, torna-se inequívoco criminoso conflito de interesses e, principalmente, seu total descompromisso com a nação, bem como sua tara – única e exclusiva – pelas bananas do mercado financeiro.

É válido o lembrete de que a absurda “Secretaria de Desinvestimento” tenha sido chefiada por um picareta comerciante de automóveis – quem imaginava em suas alucinações que um Estado-Nação funcionaria igual e conforme os mandos e desmandos em sua loja de automóveis, onde seus subordinados simplesmente dizem amém a todos os seus sermões em troca de um salário de fome. Mais do que expor a fragilidade da equipe montada pelo “primata neoliberal” à frente da pasta econômica deste país, revela-se que um profundo desconhecimento sobre a República e uma dose extra de incompetencia são requisitos para ocupar secretarias. Afinal, o primata parece ser desleal inclusive na competição interna: não aceita de bom grado dividir as bananas, preferindo cercar-se de personagens decorativos.

Eis que na névoa escura da pandemia e durante o profundo colapso da economia, surgem alguns ministros com espírito republicano, bem mais evoluídos e conhecedores do país que governam. Exalando competência, apresentam um plano de reformas estruturantes, um programa gerador de empregos e renda, e um arrojado projeto de escoamento de produção. Sem surpresas, tal pacote foi obviamente estercado por Guedes, o primata que encena conduzir a economia nacional. Mesmo diante dos alertas do capitão à tripulação de que o barco está afundando, Guedes continuou fazendo suas macaquices, preferindo as bananas dos “investidores estrangeiros” à labuta de construção de um estado nação.

Para a sorte do Brasil, Paulo Guedes – O Primata – murchou muito desde o início do mandato. Sua autoconfiança foi se esvaindo conforme a realidade pública batia forte em seu estômago. Ele, que já havia se acostumado com as bananas jogadas a cada novo truque duramente ensaiado, viu suas bananas diminuírem conforme o repertório ia se repetindo. Nisso, tomou consciência de sua limitação e mediocridade: não trouxe solução para coisa alguma. Num momento em que o país exige criatividade incomum de seus ministros, Guedes continua tentando repetir o que aprendeu em Chicago na década de 1970 – num gesto repetitivo e desesperado, implorando por aplausos e bananas. O espetáculo não é novo, mas ainda assim, não é sempre que se vê um primata neoliberal engravatado fazendo malabarismos.

Então, o que poderia ser pior do que ter um incapacitado à frente do ministério mais importante de um país? A resposta é mais que simples: aceitar ser refém nas mãos desse incapaz. É o dilema enfrentado pelo presidente Jair Bolsonaro, que parece estar cada vez mais certo de sua decisão a respeito de demitir ou não essa atração circense que faz papel de ministro da economia.

por Vicentino

fecho

Este texto foi originalmente pelo Jornal Puro Sangue

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s