Sinos dobram por Ricardo Salles, mas não celebre: no governo Bolsonaro o ruim sempre pode piorar

boiada-salles-910x1138

Se aceitarmos como verdade as análises do jornalista Ricardo Noblat, o ministro (ou seriam anti-ministro) do Meio Ambiente, o improbo Ricardo Salles, é uma espécie de “morto-vivo” no governo Bolsonaro. As razões para esta situação, onde já estiveram Gustavo Bebbiano, Henrique Mandetta, Sérgio Moro e Abraham Weintraub, seria a nota da Assessoria de Comunicação do Meio Ambiente dando conta que as operações de combate ao desmatamento e às queimadas seriam suspensas por causa do corte de verbas determinado pelo Ministério da Fazenda.

wp-1598792773790.png

Quem acompanha este blog sabe que considero Ricardo Salles a pessoa errada no lugar errado, visto, entre outras coisas, a condenação por improbidade administrativa por causa da sua interferência na elaboração do Plano de Manejo da Área de Proteção Ambiental do Rio Tietê em 2016. Nesse processo, Salles foi condenado, inclusive, à perda de seus direitos políticos por 3 anos. 

Já no governo Bolsonaro, Ricardo Salles agiu para inviabilizar a governança ambiental e os instrumentos de comando e controle, forçando uma militarização dos postos de comando de agências ambientais. Além disso, Salles efetivamente “passou a boiada” na área ambiental com a regressão da legislação ambiental. Tudo isso combinado resultou em índices altíssimos de desmatamento e queimadas na Amazônia, mas também na Mata Atlântica.

Imagem de capaRicardo Salles e seu sorriso sardônico ao sobrevoar as áreas de garimpo ilegal na Terra Indígena Munduruku no estado do Pará

Desta forma, uma possível queda de Ricardo Salles deverá ser celebrada por aqueles que o enxergam como o arauto do caos ambiental instalado pelo governo Bolsonaro. Mesmo que eu não vá derrubar uma mísera lágrima se Salles for realmente defenestrado, tampouco irei celebrar. É que no governo Bolsonaro, ministros que perdem seu prazo de validade estão sendo substituídos por figuras que aprofundam ainda mais a aplicação do projeto “anti-Nação” que as elites que colocaram Jair Bolsonaro no poder querem fazer avançar.

A minha aposta é que se Salles realmente cair, a maior chance é de que haja uma militarização do MMA com a colocação de mais um general na cadeira de ministro. Ou se colocará alguém ainda mais retrógrado e ainda mais comprometido com a destruição da governança ambiental e dos instrumentos de comando e controle. Em qualquer uma dessas hipóteses, a ordem certamente será a volta ao passado onde inexistiam leis ambientais e órgãos de proteção ambiental, no melhor estilo “wild west” (oeste selvagem).

A construção de alternativas ao projeto “arrasa quarteirão” da área ambiental passa por entender as questões estratégicas que guiam as ações do governo Bolsonaro, independente dos personagens que as executam. Afinal,  é sempre bom lembrar que a norma é sempre piorar.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s