Argentina está lutando com a seca

O rio mais importante do país sul-americano tem o menor nível de água em 50 anos

rio paranáBarcos encalhados no rio Paraná perto da cidade de San Lorenzo. Foto: Reuters / agosto Marcarian

Por Jürgen Vogt, Buenos Aires para o Neues Deutschland

Embora as fortes chuvas causem inundações em muitos lugares da Europa, o quadro é diferente na América do Sul: o Rio Paraná atingiu seu nível mais baixo em meio século. A falta de precipitação nas cabeceiras do rio brasileiro é citada como a causa. Em maio, o serviço meteorológico brasileiro relatou a menor precipitação em mais de 90 anos para os estados do sul de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná. Muitos especialistas se perguntam como o fenômeno está relacionado às mudanças climáticas, que, por outro lado, há muito vêm causando fortes chuvas na América do Sul.

O tempo seco não é o único responsável pela vazante do Paraná, que flui do Brasil via Paraguai e Argentina 4.880 km ao sul até sua confluência com o Río de la Plata. Durante anos, as áreas florestais da Amazônia e do Pantanal no sul do Brasil foram desmatadas e convertidas em áreas aproveitáveis ​​para o cultivo de produtos agrícolas e para a pecuária. No Paraguai e na Argentina, os limites do uso para a agricultura estão sendo empurrados cada vez mais para o norte.

No Paraguai, seis milhões de ha de floresta foram desmatados nos últimos 20 anos. Quase no mesmo período, as escavadeiras na Argentina arrasaram cerca de 14 milhões de ha de floresta. Assim como no Brasil, a área desmatada é destinada principalmente à pecuária e ao cultivo de soja nos dois países. Embora o consumo de água do rio esteja aumentando, a perda de áreas de floresta armazenadora de água, que sempre foi capaz de mitigar os efeitos extremos de chuvas fortes ou leves, é muito mais grave. O desaparecimento das florestas está mudando o microclima. As massas de ar úmido são atraídas cada vez mais fracas.

O nível médio da água do rio vem caindo desde meados de 2019. Isso já era perceptível no ano passado nas grandes áreas úmidas ao longo dos últimos 300 quilômetros do rio na Argentina. No delta do Paranás, 80 por cento da área está em níveis normais de água. Apenas 20 por cento é terreno sólido. Agora o relacionamento foi revertido. No ano passado, incontáveis ​​incêndios destruíram mais de 500 km2 de pântanos. Um desastre ambiental que ameaça se repetir no máximo até o final de julho, quando os fazendeiros tradicionalmente queimam seus campos, embora isso tenha sido proibido há muito tempo.

fecho

Este texto foi originalmente escrito em alemão e publicado pelo Neues Deutschland [Aqui! ].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s