Estudo mostra que 25% dos agrotóxicos vendidos no Brasil podem ser ilegais

apreensãoPolicial do Departamento de Operações de Fronteira descarrega agrotóxico escondido em sacos de sementes em uma apreensão realizada em Ponta Porã (MS) (Foto: Divulgação) – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Não bastasse a verdadeira tsunami de liberações de agrotóxicos, muitos deles banidos em outras partes do mundo por serem extremamente perigosos, um estudo realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras (IDESF) mostra que em torno de 25% vendidos no Brasil entram no país de forma ilegal. O estudo do IDESF mostra uma evolução na quantidade de produtos que entraram ilegalmente o Brasil, sendo que houve também uma verificação nas substâncias que chegaram a um crescente mercado clandestino de agrotóxicos.

mercado ilegal 1

Entre os “campeões” do contrabando estão substâncias como Benzoato de Emamectina, Tiametoxam e Paraquat, mas a lista é muito maior, incluindo uma grande gama de agrotóxicos que incluem o Acetamiprido; Carbendazim; Cletodim; Clodinafope; Clorimuron; Clorpirifós; Endosulfan; Fipronil; Imazetapir; Imidaclorido;  Lambda Cialotrina;  e  Tiodicarbe.  

A distribuição das apreensões desses produtos que entram ilegalmente no país mostra que há uma associação quase perfeita com os estados que são considerados os “campeões” do agronegócio, reforçando a tese de que em vez de ser pop, o agro é tóxico (ver figura abaixo).

mercado ilegal 3

Um detalhe a mais é que os produtos ilegais chegam no Brasil, a maioria vinda via o Paraguai, em concentrações muito mais altas do que permitido legalmente no Brasil. Desta forma, o prejuízo ambiental e à saúde humana acaba sendo exponencializado, mesmo porque a maioria dessas substâncias é banida em outras partes do mundo por estarem associadas à ocorrência de fortes impactos ambientais e sanitários.

O interessante é que o estudo do IDESF mostra não apenas que os pontos de origem dessa quantidade expressiva de produtos ilegais são conhecidos pelas autoridades, mas que também as rotas de distribuição estão bem mapeadas (ver figura abaixo).

mercado ilegal 2

 

O fato é que o estudo do IDESF mostra que aparentemente existe dentro do Brasil é uma enorme tolerância para as operações ilegais de uma poderosa rede comercial clandestina de agrotóxicos e de sementes geneticamente modificadas.

Quem desejar ler o relatório do IDESF na íntegra, basta clicar [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s