Os “detalhes” que faltaram na última matéria da Folha da Manhã sobre a greve na Uenf

A edição do jornal Folha da Manhã que circulou ontem e hoje (02/10) traz uma matéria sobre a greve em curso na Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) sob o título “Alunos preocupados com a greve” [1], onde são entrevistados 3 estudantes descontentes com  o movimento. 

greve folha

Um detalhe é que essa matéria nasceu de um diálogo que mantive com um número maior de estudantes dentro de um grupo, o UENF, existente na rede social Facebo acerca do movimento.  As trocas de opinião que ali ocorreram motivaram então essa matéria.

Ao ler a matéria, verifiquei que há uma grande lacuna na forma que a mesma foi construída. É que ficaram ausentes da matéria uma análise mínima da situação dramática em que a instituição se encontra após quase 2 anos de falta de verbas de custeio (lembremos que foi em Outubro de 2015 que o (des) governo Pezão entregou essas verbas à Uenf) e o responsável por isso, o (des) governador Luiz Fernando Pezão.

É importante notar que a matéria produz uma relação falaciosa (falo aqui no sentido estatístico) entre os prejuízos na pesquisa que a greve estaria causando. A verdade é que no Canal que a Aduenf mantém no Youtube [2] existem vários depoimentos de que o processo de destruição dos projetos de pesquisa existentes na Uenf se deve ao sucateamento da Faperj pelo mesmo (des) governo Pezão, e também na crise instalada pelo governo “de facto” de Michel Temer no CNPq.

Ao relacionar a greve com prejuízos no funcionamento cotidiano e omitir o papel central do (des) governo Pezão na crise instalada nas universidades estaduais e nas escolas da Faetec, o que esta matéria faz é jogar a culpa nas vítimas enquanto deixa os culpados livres para continuarem seus ataques contra servidores e contra instituições esratégicas para que o Rio de Janeiro possa sair da crise em que foi colocado por uma mistura de corrupção, farra fiscal e incompetência administrativa.

Finalmente, há que se salientar que, ao contrário do que a matéria afirma, esta não é uma das greves mais longas que foram impostas à Uenf pelo (des) governo que é comandado pelo PMDB há mais de uma década. Mas certamente esse movimento paredista é um dos mais atacados e sabotados de todos os que participei em quase 20 anos na Uenf. Os motivos para este ataque são muitos, mas o principal parece ser o de quebrar o processo de resistência que a greve colocada em marcha contra o processo de privatização da Uenf e das demais unidades que oferecem ensino superior público gratuito.  Entender a natureza desse ataque é fundamental para que se fortaleça a resistência a esse projeto maior.

E como eu disse em muitas das minhas interações no Grupo UENF no Facebook, é preciso que se saia do processo de guerra cibernética contra os professores  e um movimento legítimo para uma pressão direta sobre o (des) governador Pezão, o real culpado pela crise instalada na Uenf.  


[1] http://www.folha1.com.br/_conteudo/2017/09/geral/1225393-alunos-preocupados-com-a-greve.html.

[2] https://www.youtube.com/channel/UC-uMY_uzGefUpoKHZ3yqBmw/videos?sort=dd&shelf_id=0&view=0

Um pensamento sobre “Os “detalhes” que faltaram na última matéria da Folha da Manhã sobre a greve na Uenf

  1. disse:

    Matéria altamente tendenciosa. Não gosto de argumentos de autoridade, mas pedir a alunos de graduação um diagnóstico sobre a pesquisa na UENF me parece até má fé.
    Depois reclamam porque jornalista não precisa mais de diploma…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s