O Brasil da Bayer, o Brasil da Monsanto

bayer monsanto

Em 25 maio de 2018, Alan Tygel da Campanha Contra os Agrotóxicos e Pela Vida), foi a convite dos Acionistas críticos na Assembleia Geral Anual da Bayer AG em 25 de maio de 2018 Bonn

agrotoxico

Campanha Permanente contra os Venenos Agrícolas e pela Vida organiza no Brasil resistência a pesticidas e plantas e sementes modificadas transgênicas. FONTE:CAMPANHA PERMANENTE CONTRA OS AGROTÓXICOS E PELA VIDA

Prezadas senhoras e senhores,

Meu nome é Alan Tygel, sou da Campanha Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

Do ponto de vista da Bayer, o Brasil é um país muito promissor. O Brasil é o país que usa mais agrotóxicos no mundo. E o Brasil é o país que promete o maior crescimento na venda de agrotóxicos. No Brasil, a Bayer foi a empresa em 2014, o segundo maior vendedora de agrotóxicos. Após a aquisição da Monsanto, a Bayer ficará em primeiro lugar, com uma participação de mercado de cerca de 23%.

E o Brasil tem a segunda maior área de sementes geneticamente modificadas do mundo. Em contraste com o país com a maior do mundo cultivo área de plantas geneticamente modificadas – os EUA – O Brasil tem planos para colocar sementes transgênicas até mesmo nos cultivos de algodão. Além disso, a autoridade responsável pelo registro de autoridade plantas geneticamente modificadas CTNBio, estão em processo de tramitação a aprovação de licenças para novos cultivos transgênicos. Assim, não é de admirar quando dois milhões de hectares de terra estejam sendo definidos para o cultivo de arroz transgênico.

Este é o Brasil da Bayer. Este é o Brasil da Monsanto.

Mas há outro Brasil também. O Brasil onde eu moro. Esta é a terra da agricultura camponesa, a terra da diversidade alimentar, a terra da mandioca e do milho indígena. É neste Brasil que a nossa Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida “leva as vozes de milhões de pessoas a uma só voz”. E essa voz diz “não!” a agrotóxicos e plantas e sementes modificadas transgênicas. E essa voz diz “sim!” para construir um movimento em direção à agroecologia.

No outro Brasil, há a cada ano 6.000 pessoas que precisam de tratamento médico para intoxicação por venenos agrícolas. Mas sabemos que os números reais são certamente dez vezes maiores. Porque a maioria dos envenenados mora no campo, onde há pouco ou nenhum acesso a cuidados médicos. Os agricultores cometem suicídio, as crianças nascem com danos, os bebês mostram sinais de puberdade. Tudo provado por causa dos venenos agrícolas.

Na sua política de responsabilidade social e ambiental, a Bayer declara que é aconselhável seguir as instruções no folheto informativo, a calibração do equipamento de aplicação, a utilização de vestuário protector prescrito, a limpeza do equipamento e a eliminação adequada das águas residuais após a utilização.

Peço-lhe, portanto: Você acha que Bayer está livre de tal culpa por todo o envenenamento e todo o sofrimento? Então, as próprias vítimas são culpadas?

O portfólio de venenos agrícolas da Bayer registrados no Brasil inclui 109 produtos fabricados com 50 ingredientes ativos diferentes. Seus best-sellers no Brasil são os produtos à base de carbendazim e imidaclopride. Ambas as drogas estão na lista das dez substâncias mais utilizadas. É pura coincidência que uma das duas substâncias na União Europeia (UE) seja proibida, a outra seja banida? Além disso, a Bayer vendida no Brasil oito outros ingredientes ativos utilizados em produtos que são proibidos na UE: Thidiazuron, Tiodicarbe, Ioxinil, iprodiona, indaziflam, Etiprol, Etoxissulfurom e Cloridrato de Propamocarbe.

Eu lhes pergunto: Vocês acham que sua política de enviar venenos agrícolas proibidos há longa data na Alemanha para países em desenvolvimento é eticamente justificável? O que a Bayer fará com o glifosato da Monsanto se ele for banido na União Europeia por ser cancerígeno?

tygel

Alan Tygel na ação de protesto durante a reunião geral anual da Bayer AG FONTE:UMBRELLA ASSOCIATION OF CRITICAL SHAREHOLDER

Atualmente, uma enorme pressão está sendo exercida no Brasil para derrubar a lei existente sobre agrotóxicos. Em seu lugar, os congressistas da bancada ruralista propõem uma lei sobre agrotóxicos. Isso reduziria o papel das autoridades sanitárias e ambientais no registro de agrotóxicos e aboliria as disposições do Registro de Venenos Agrícolas Carcinogênicos. Atualmente, 250.000 pessoas assinaram uma petição contra esse projeto, mas este projeto é abertamente apoiado pelo Sindiveg, a associação setorial da qual a Monsanto e a Bayer são membros.

Em 2018, a Monsanto participou de nove reuniões com o Ministério da Agricultura do Brasil e a Bayer em seis, algumas das quais diretamente com o ministro da Agricultura do Brasil, Blairo Maggi.

A Bayer considera justificado fazer lobby com o objetivo de enfraquecer a legislação nos países subdesenvolvidos e fornecer produtos já proibidos na Alemanha para o Brasil?

A Bayer também tem muito a ser criticado em relação às plantas transgênicas no Brasil: a Bayer tem atualmente onze patentes sobre sementes transgênicas no Brasil. Após a aquisição da Monsanto, que tem 23 patentes, a Bayer seria a dona de quase metade de todas as 75 modificações transgênicas registradas no Brasil.

Hoje vocês falam muito sobre plantas transgênicas sendo sustentáveis ​​e contribuindo para a redução de venenos agrícolas. Na realidade, porém, estamos experimentando uma trágica contaminação ambiental, a perda de uma herança genética preservada há séculos e um aumento maciço no consumo de agrotóxicos.

O caso da coruja cápsula de algodão Falters (Helicoverpa armigera) mostra claramente o problema: em 2012, a população dos Falters explodiu porque o milho transgênico geneticamente modificado não poderia mais prejudicá-lo. Em grande parte do nordeste brasileiro, houve então uma situação extrema de emergência, que chegou a uma perda de bilhões de reais. Em resposta, o Brasil importou uma toxina agrícola que já era proibida no país há muito tempo, porque é altamente prejudicial para o sistema nervoso humano: o benzoato de emamectina. O Ministério da Agricultura, que era tão transgênico, viu a culpa do milho transgênico, mas sobre a lei no ano passado, a aprovação do benzoato de emamectina no Brasil.

Entre 2007, quando o primeiro produto transgênico da Bayer foi registrado no Brasil e em 2014, o consumo de venenos agrícolas aumentou 52%. Estudos recentes indicam que esse aumento é em grande parte devido à soja transgênica, uma área em que a Monsanto é a campeã de vendas.

Contra esse pano de fundo, gostaríamos de saber: o seu entendimento de sustentabilidade inclui esse alto consumo de venenos agrícolas induzidos pelo uso de plantas transgênicas? Sua compreensão da sustentabilidade inclui a contaminação ambiental e o desequilíbrio ecológico causado por uma profunda desconsideração pelos direitos humanos dos pequenos agricultores?

Prezadas Senhoras e Senhores, Acionistas. Se vocês acham que o Brasil é a terra do lucro, não importa o preço e a que custo, e se vocês acham que pode despejar todo o seu lixo que não é bom aqui no nosso país, então tenha certeza que nós iremos Resistir.

Obrigado pela sua atenção.

________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em alemão pelo site Amerika21 [Aqui!]

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s