Pesquisa determina que agrotóxicos estão alterando biodiversidade em grande rio da América do Norte

Os agrotóxicos estão em todo o rio St. Lawrence – muitos em níveis que prejudicam peixes e invertebrados

Os cientistas testaram o sistema fluvial e descobriram que quase um terço das amostras tinham pesticidas neonicotinóides em níveis mais altos que o limiar para proteger as criaturas aquáticas. O glifosato e a atrazina estavam em mais de 80% das amostras.

st lawrence

Por Brian Bienkowski para o “Environmental Health News”

Agrotóxicos nocivos como o glifosato, atrazina e neonicotinóides foram encontrados em quase todas as amostras de água do rio Saint Lawrence e seus afluentes, com muitas amostras contendo níveis mais elevados do que a diretriz para proteger a vida aquática, de acordo com novas pesquisas.

O Rio Saint Lawarence é um dos principais sistemas de água da América do Norte – drenando uma bacia hidrográfica de 300.000 km2 que onde estão inseridos os Grandes Lagos.

“Os insumos de água doce do St. Lawrence fornecem uma fonte de produção de água potável para mais da metade da população da província de Quebec”, escreveram os autores.

O estudo, publicado na Environmental Pollution, descobriu que 99% das 68 amostras de água coletadas do grande sistema de água continham pelo menos um dos 10 pesquisadores testados e 31% das amostras continham neonicotinóides em níveis mais altos do que o permitido pelo Canadá.

“Eu não fiquei tão surpreso ao descobrir que [os agrotóxicos] são onipresentes, é difícil encontrar água que não os contenha”, Sébastien Sauvé, autor sênior do estudo, pesquisador e vice-reitor da Faculdade de Artes e Ciências no Université de Montréal, contou à EHN. “O que me surpreendeu foi o número de vezes que as diretrizes ambientais foram ultrapassadas”.

Os neonicotinóides – amplamente usados ​​em milho, algodão, sorgo, soja e algumas outras frutas e vegetais – parecem estar, pelo menos parcialmente, por trás dos declínios de abelhas nos últimos anos e também estão ligados a impactos generalizados sobre insetos e invertebrados aquáticos.

Cientistas em 2016 concluíram que “o declínio de muitas populações de invertebrados, devido principalmente à presença generalizada de resíduos aquosos e à extrema toxicidade crônica dos neonicotinóides, está afetando a estrutura e a função dos ecossistemas aquáticos”.

As substâncias químicas estão “realmente afetando a biodiversidade nesses rios e cursos de água”, disse Sauvé.

Esta nova pesquisa reforça a evidência de que os neonicotinóides, juntamente com o glifosato e a atrazina, estão contaminando cada vez mais a água doce – e a água potável das pessoas – em regiões agrícolas.

No novo estudo, os pesquisadores testaram o glifosato, a atrazina e um conjunto de neonicotinóides. O glifosato foi encontrado em 84 por cento das amostras e a atrazina foi encontrada em 82 por cento.

No entanto, as concentrações de ambos os compostos estavam “bem abaixo das diretrizes canadenses de qualidade de água para a proteção da vida aquática”, escreveram os autores.

Em um documento complementar ao novo estudo, os cientistas descobriram que a atrazina e um de seus metabólitos em todas as 450 amostras de água coletadas de 2015 a 2018 da água potável em Quebec.

“Isso sinaliza a exposição potencial de uma grande parcela da população de Quebec a níveis baixos e crônicos desses herbicidas na água potável produzida no rio”, escreveram os autores.

Sauvé disse que viu dois picos nos pesticidas – um no início do verão e outro no outono.

Nos Estados Unidos, a atrazina, outro herbicida amplamente utilizado na maioria das águas do Centro-Oeste, contamina cerca de 7,6 milhões de americanos de água encanada, de acordo com um relatório de 2017 do Environmental Working Group, uma organização sem fins lucrativos.

Não é apenas a atrazina aparecendo na água das pessoas: nos últimos anos, cientistas relataram neonicotinóides em vários locais da região dos Grandes Lagos, incluindo sul a água potável de Ontário, Canadá; riachos de Nova York e Pensilvânia e águas subterrâneas da região central de Wisconsin.

Outro estudo encontrou o glifosato em cerca de 60% das águas superficiais amostradas, embora a maioria fosse inferior aos limites de vida humana e aquática dos EUA e Canadá.

O glifosato é o principal ingrediente do herbicida Roundup da Monsanto. A Monsanto é agora uma unidade da Bayer AG, que sofreu uma das suas piores perdas em 16 anos depois que um tribunal condenou o Roundup ao câncer de um homem. O herbicida, que é um dos mais amplamente usados ​​na história, é o foco atual de mais de dez mil ações judiciais de pessoas que alegam que o Roundup e outros produtos do glifosato fizeram com que desenvolvessem linfoma não-Hodgkin.

O glifosato, apesar de ser considerado seguro para a vida selvagem, tem sido associado a mudanças no metabolismo, crescimento, comportamento e reprodução de certos peixes, moluscos e insetos.

A atrazina também é classificada como um possível carcinógeno para humanos pela Health Canada, e também tem sido associada a impactos no sistema endócrino humano.

Uma avaliação feita no ano passado pela EPA dos EUA no ano passado mostrou que a atrazina provavelmente não causaria câncer, uma determinação amplamente criticada por pesquisadores e defensores da saúde, já que a avaliação se baseou fortemente em estudos da indústria.

Não está claro o que a exposição consistente a esses produtos químicos através da água potável pode estar fazendo para as pessoas. Sauvé disse que não encontrou nenhum pesticida em níveis mais altos do que o permitido na água potável. “Mas as diretrizes para a proteção da água potável são suficientes? Essa é outra conversa”, disse ele.

À medida que os países examinam, proíbem ou limitam neonicotinóides, Sauvé e seus colegas estão examinando algumas das alternativas propostas.

Ele disse que é preciso haver pesquisas mais independentes sobre as alternativas – quando eles fizeram uma revisão de literatura, descobriram que a maioria dos estudos até agora está ligada à indústria.

____________________________________________________________

Este artigo foi originalmente publicado em inglês pelo site Environmental Health News [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s