O preço final do negacionismo da COVID-19 será calculado em vidas perdidas

Coronavirus-Covid19-Hospital-HRAN-Ambulancia-Enfermeira-Socorrista-Bmbeiros-04Abr2020

Como já foi dito aqui, o presidente Jair Bolsonaro está em uma restrita lista de líderes mundiais que ainda negam a gravidade da crise sanitária causada pela COVID-19. Se esse negacionismo não tivesse efeitos práticos, esse negacionismo do presidente do Brasil não teria nada de novidade, pois ele se somaria a uma lista de negações que ele professa (a começar pela que nega a natureza hedionda da tortura).

O problema é que, como presidente da república, e um líder que arrasta uma parcela da população brasileira para abraçar suas negações, Jair Bolsonaro produz uma conta social que é contada no número de pessoas mortas pela negação de colocar todas as forças e recursos disponíveis ao governo federal para conter o avanço da pandemia no Brasil..

Essa conta social nos apresentada não apenas em número de mortes, mas também de pessoas que ficarão sequeladas pelas diversas mazelas que são causadas pela COVID-19 em casos mais drásticos da infecção. Mas, por enquanto, os números (subnotificados, é preciso que se frise) já colocam o Brasil como o 9o colocado em número total de casos, o 6o colocado no número de mortos, e o 2o em número de casos graves (ver imagem abaixo).

tabela covid 19 2

Há que se notar ainda que o crescente número de mortos está se localizando nas áreas mais pobres, o que indica que são os trabalhadores e a juventude pobre que estão arcando com o principal peso da negação disseminada por Jair Bolsonaro e pelos detentores de grandes fortunas que o seguem.

Por outro lado,  o Brasil, ao contrário de outros países, está tendo uma concentração de infecções pelo novo coronavírus na faixa de 20 a 39 anos, o também derruba a tese do isolamento vertical que tem sido defendida pelo presidente da república. Essa diferença é fundamental para que se entenda as vias pelas quais o coronavírus está disseminando na população brasileira,  de forma até a minimizar o baixíssimo número de testes realizados para determinar se uma pessoa está contaminada ou não.

O avanço rápido da pandemia deverá implicar em um aprofundamento das medidas de isolamento social e não o contrário, como vem sendo apregoado pelo presidente Jair Bolsonaro e seus seguidores. Esse aprofundamento será a única forma de se deter um aumento ainda mais acelerado no número de infectados e, por consequência, no número de pessoas mortas pela COVID-19. 

Uma coisa é certa: depois que o pior da pandemia passar, o Brasil terá que fazer um ajuste com os responsáveis para que tenhamos chegado ao ingrato posto de um dos principais focos mundiais da pandemia. Isto será o mínimo que se poderá fazer para honrar a memória dos milhares que morrerão por causa da insistência em se negar a Ciência e o conhecimento que ela disponibilizou para que o pior fosse evitado.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s