Jair Bolsonaro quer militarizar a proteção ambiental na Amazônia

O presidente brasileiro quer tirar poder do Ibama e quer usar polícia militar no combate contra o desmatamento. Delegado da Polícia Federal denunciou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por proteger madeireiros

pmEm vez do Ibama, a polícia militar é que deverá receber recursos para combater o desmatamento na Amazônia. FONTE:MARCO SANTOS / AG.PARÁ.  

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro quer mandar a polícia para a Amazônia. A Polícia Militar (PM) deve apoiar o Ibama, órgão de proteção ambiental, na luta contra a extração ilegal de madeira. O governo brasileiro pretende fornecer novos recursos para esse fim. O dinheiro não visa beneficiar as autoridades responsáveis ​​pela proteção do meio ambiente, mas financiar o uso da  PM na floresta. O governo ignora o fato de que as operações militares anteriores na luta contra a limpeza ilegal levaram a um novo aumento na derrubada da floresta.

Na Cúpula do Clima convocada pelo presidente dos EUA, Joe Biden, no final de abril , Bolsonaro anunciou que cortaria as emissões de CO2 do país pela metade até 2030. Até esta data, o fim do desmatamento ilegal também deveria ser alcançado. Para fazer isso, ele queria dobrar os fundos para vigilância, o chefe de Estado prometeu em seu discurso online.

Em tese, a implantação da polícia na floresta como parte da guarda nacional visa proteger os controladores dos órgãos ambientais Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade ( ICMBio) no combate à extração ilegal de madeira.

Depois que o governo Bolsonaros cortou o orçamento as duas agências de proteção ambiental desde que assumiu o cargo em 2019 e tirou delas a maioria de seus mecanismos de controle, agora está contando com reforços militares e policiais para que elas realizem suas tarefas de proteção ambiental.

Enquanto o Bolsonaro quer disponibilizar quase 90 milhões de reais (35,4 % de seu orçamento este ano. Ele cortou o Ibama em 4% do orçamento do ano em curso. Dos 1,65 bilhão de reais (cerca de 247 milhões de euros), 30% devem ser aprovados pelo Congresso. “Isso é absolutamente insuficiente”, criticou a ex-presidente do Ibama e especialista em clima Suely Araujo. A agência precisa de três vezes mais recursos, explicou Araujo.

O Ministério do Meio Ambiente teve que aceitar cortes de cerca de um terço em 2020. Ao mesmo tempo, o governo brasileiro enviou militares em maio de 2020 para acompanhar o Ibama. A operação militar  Brasil Verde 2 recebeu um orçamento duas vezes maior do que o disponibilizado ao órgão ambiental como um todo. A implantação de três mil soldados em 2,5 meses custou 120 milhões de reais.  

pm 2

Em 2020, os militares devem ajudar a descobrir a extração ilegal de madeira. Durante esse tempo, a compensação aumentou 9,5 por cento. FONTE:ASCOM / SEMAS

O uso do exército se mostrou não apenas caro, mas também contraproducente. Enquanto a extração ilegal de madeira aumentou 9,5% em comparação com o ano anterior e atingiu o recorde de 830 quilômetros quadrados em maio de 2020, o número de crimes detectados caiu 20%. Os controladores da agência de proteção ambiental descreveram a implantação dos soldados como ineficiente e obstrutiva. A estrutura do exército é muito grande. “Os madeireiros são sempre avisados”, disse um funcionário do Ibama.

Apesar das descobertas negativas, o governo brasileiro está se limitando a operações policiais onerosas. Ao fazer isso, ela está acomodando as forças de segurança como um dos poucos grupos de apoio restantes para o Bolsonaro. Como os militares fizeram no ano passado, o corpo de polícia está registrando com muita precisão como Bolsonaro os está atualizando simbólica e financeiramente.

Por outro lado, “o projeto legislativo do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tem papel importante na substituição do Ibama”, alerta Marcio Astrini, diretor da ONG de Monitoramento do Clima Observatório do Clima. “Desde que assumiu o cargo, Salles quis controlar todas as operações de proteção ambiental; sempre sabendo o que e onde está sendo fiscalizado, mas nunca conseguiu”, disse Astrini. Se a polícia tivesse os mesmos poderes do Ibama ou do ICMBio, ele poderia contorná-los.

Foi apenas na segunda-feira que Salles mais uma vez  defendeu os madeireiros. “Quando você demoniza o trabalho desses empresários, só provoca mais desmatamento”, afirmou o ministro do Meio Ambiente do Brasil. Recentemente, Alexandre Saraiva, chefe de investigações da Polícia Federal contra o comércio ilegal de madeira, denunciou Salles por obstruir investigações ambientais, abuso de poder e envolvimento em organização criminosa. Salles “apóia diretamente os interesses privados dos madeireiros e abusa da administração pública por isso”, explica Saraiva.

Saraiva liderou uma investigação que resultou na maior exposição à extração ilegal de madeira da história do Brasil, e que por causa dela acabou sendo demitido. “Não haverá mais desmatamento até 2030 porque não há floresta”, o delegado da Polícia Federal comentou ironicamente o anúncio do  Bolsonaro na Cúpula do Clima do presidente dos Estados Unidos. 

fecho

Este texto foi escrito originalmente em alemão e publicado pelo Amerika21 [Aqui!].

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s