EUA: estudo mostra que negros e latinos estão mais propensos a serem prejudicados por agrotóxicos

Trabalhadores rurais hispânicos e latinos correm alto risco de uso de agrotóxicos na agricultura, enquanto pessoas em moradias de baixa renda também são afetadas

sprayer

Inseticida pulverizado em campos de pimentão na Flórida. Comunidades marginalizadas estão em maior taxa de exposição no local de trabalho e em casa, segundo o estudo. Fotografia: Alamy

Por Aliya Uteuova para o “The Guardian”

Pessoas de cor e comunidades de baixa renda correm um risco desproporcional de exposição a agrotóxicos, segundo um novo estudo .

Aproximadamente 90% do uso de agrotóxicos nos EUA é na agricultura, tornando os trabalhadores rurais – 83% dos quais se identificam como hispânicos – mais vulneráveis ​​aos produtos químicos sintéticos destinados a matar, repelir ou controlar pragas.

“Esses trabalhadores de alguma forma são vistos como dispensáveis”, disse Robert Bullard, coautor do relatório e diretor do Bullard Center for Environmental and Climate Justice da Texas Southern University. “Este estudo mostra a negligência sistêmica que levou toda uma força de trabalho a ser uma subclasse e não ter o mesmo peso quando se trata de saúde e segurança.”

O estudo revisou os dados do CDC e da EPA, juntamente com pesquisas existentes sobre agrotóxicos, e descobriu que injustiças estruturais, lacunas na regulamentação e proteções fracas aos trabalhadores rurais levaram à exposição desproporcional a pesticidas entre pessoas de cor.  O estudo foi realizado pelo Centro de Diversidade Biológica; pesquisadores de faculdades e universidades historicamente negras; e defensores de trabalhadores rurais, justiça racial e grupos de conservação.

Doze dos 14 marcadores de  agrotóxicos nocivos, rastreados nos últimos 20 anos, foram encontrados no sangue e na urina de americanos negros e mexicanos em níveis até cinco vezes maiores do que os encontrados em americanos brancos.

As leis de segurança de agrotóxicos em vigor hoje pela Agência de Proteção Ambiental estabelecem padrões para a exposição a venenos agrícolas entre os consumidores por meio de alimentos, mas excluem especificamente a proteção dos trabalhadores rurais da exposição ocupacional. “As leis e práticas regulatórias que temos agora estão realmente perpetuando isso”, disse Nathan Donley, diretor de ciências da saúde ambiental do Centro de Diversidade Biológica e coautor do relatório.

Jeannie Economos, coordenadora do projeto de segurança de agrotóxicos e saúde ambiental da Farmworker Association of Florida, disse: “Precisamos nos livrar desses agrotóxicos e encontrar alternativas. Eles não estão apenas envenenando os trabalhadores rurais, eles estão em nossas águas subterrâneas, em nossa comida e esgotando nosso solo”.

As comunidades marginalizadas apresentam maior índice de exposição tanto no local de trabalho quanto em casa, seja pela proximidade de uma fábrica de agrotóxicos ou pelo uso dentro das residências.

Na Califórnia, Louisiana, Geórgia, Carolina do Sul, Tennessee, Arkansas e Missouri, as pessoas de cor representam cerca de 38% da população. Mas esse mesmo grupo compreende 63% da população que vive a menos de um quilômetro e meio de uma das 31 instalações de pesticidas que, em novembro, a EPA considerou uma “violação significativa” de leis ambientais, como a Lei do Ar Limpo e da Água Limpa.

O estudo também mostra que o uso de agrotóxicos contra roedores e baratas costuma ser alto em habitações de baixa renda, devido à idade dos prédios, manutenção precária e condições de vida muitas vezes lotadas. No estado de Nova York, de acordo com um estudo de 2002, 80% das casas populares de baixa renda aplicavam agrotóxicos regularmente. Em outro estudo daquele ano, 30% das mulheres grávidas afro-americanas e dominicanas na cidade de Nova York tiveram pelo menos oito agrotóxicos detectados em um estudo de monitoramento do ar doméstico.

Bullard disse que o problema se estende não apenas a moradias subsidiadas pelo governo federal, mas também a unidades de aluguel em grandes complexos ocupados por “locatários que não têm controle sobre quanto agrotóxico está sendo usado e a segurança aplicada”.

A exposição a agrotóxicos tem demonstrado afetar negativamente o desenvolvimento das crianças e pode levar a dificuldades de aprendizagem e problemas comportamentais.

Em novembro, o senador Cory Booker introduziu o Protect America’s Children from Toxic Pesticides Act, que proibiria alguns dos pesticidas mais prejudiciais, incluindo os neonicotinóides, que são proibidos na União Europeia e significativamente restringidos no Canadá. Mais de 350 organizações que usam agrotóxicos, incluindo grupos agrícolas e associações de golfe, enviaram uma carta ao Congresso em oposição ao projeto.

color compass

Este texto foi escrito originalmente em inglês e publicado pelo jornal “The Guardian” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s