A extrema-direita na América Latina é uma serva de seus senhores

Na América Latina, a extrema-direita está tentando garantir esferas de influência para os Estados Unidos. Tentativa de golpe no Brasil é um exemplo disso

bolso fascista

Bolsonaristas invadem Palácio do Planalto em Brasília no dia 8 de janeiro

Por Volker Hermsdorf para o JungeWelt

No Brasil, em 8 de janeiro, ficou novamente demonstrado que a direita latino-americana e seus partidários só respeitam os resultados das eleições se saírem vitoriosos. Outros exemplos incluem os golpes apoiados pelos EUA na Guatemala (1954), Chile (1973), Honduras (2009), Paraguai (2012), Bolívia (2019) e Peru (2022). Os recentes acontecimentos no Brasil “têm o potencial de se repetir em outros países latino-americanos que os EUA  consideram como sua esfera de influência”, alertou o diário chinês Global Times na terça-feira da semana passada sobre novas tentativas de golpe.

Enquanto as elites econômicas nacionais e os políticos conservadores de direita na América Latina estão preocupados principalmente em manter um sistema que lhes garanta poder, influência e lucros não diminuídos, para os EUA recuperar seu “quintal” é uma questão de sobrevivência para garantir sua presença global poder econômico. O fascista confesso Jair Bolsonaro, que posou em frente a uma bandeira dos Estados Unidos durante a campanha eleitoral, era o candidato preferido de Washington. O governo Biden também há muito apoia um governante no ex-presidente brasileiro, que tem laços estreitos com os responsáveis ​​pela invasão do Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro de 2021. De acordo com uma reportagem do canal de notícias americano CNBC Bolsonaro será assessorado pelo ex-estrategista-chefe da Casa Branca, Stephen Bannon. O confidente próximo de Donald Trump pôs em dúvida os resultados das eleições presidenciais dos EUA em 2020 após sua derrota eleitoral e agora segue a mesma estratégia no Brasil. Enquanto Bolsonaro declarou após os ataques a prédios do governo em Brasília que saquear instalações públicas “violava as regras para manifestações pacíficas”, Bannon comemorou os atacantes na plataforma de direita Gettr como “combatentes da liberdade brasileira”. O serviço de mensagens curtas Gettr , fundado pelo ex-porta-voz de Trump, Jason Miller, já financiou eventos do “CPAC Brasil”, desdobramento da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC) dos Estados Unidos.

O CPAC de extrema direita é um dos grupos por trás da atual agitação no Brasil, disse Zhou Zhiwei, especialista em estudos latino-americanos da Academia Chinesa de Ciências Sociais, ao Global Times. O fato é que esses “defensores da liberdade e da democracia” declararam guerra aos governos progressistas da América Latina. Em junho passado, em conferência da CPAC em Brasília, o filho de Bolsonaro, Eduardo, recebeu, entre outros, o candidato à presidência chileno de extrema direita José Antonio Kast, que perdeu para o atual titular Gabriel Boric em 2021, e o político argentino Javier Milei, que planeja uma candidatura presidencial para 2023. Então, em novembro, uma conferência da CPAC na Cidade do México colocou os participantes no clima de “combates duros”. Entre os torcedores estavam Eduardo Bolsonaro, que pediu “quebrar o monopólio da esquerda nas ruas”, e Luis Fernando Camacho, governador do departamento de Santa Cruz, que falou da Bolívia.

Com o apoio de Jair Bolsonaro e seus apoiadores, os democratas americanos também apoiaram forças promovidas por Donald Trump. No entanto, Bolsonaro, que, a pedido, havia expulsado do país cerca de 8.200 médicos cubanos e concluído sua saída da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), decepcionou ainda mais as expectativas do governo dos Estados Unidos. Os planos de as empresas americanas assumirem a petrolífera semiestatal Petrobas fracassaram e o país permaneceu como membro do grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), no qual os EUA veem uma ameaça aos seus interesses. Com os “bolsonaristas” vistos como candidatos incertos por causa das expectativas e influência frustradas de Trump, e com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda empoderado, pelo menos temporariamente, por sua recente ação de reprimir a invasão do Supremo Tribunal Federal, do Congresso e o Palácio Presidencial, Washington está suscetível de tentar fomentar conflitos internos e criar o caos no futuro, a fim de minimizar a influência do país. A política dos EUA em relação a Cuba, Venezuela e Nicarágua prova que o presidente dos EUA, Joseph Biden, e os estrategistas do Partido Democrata também estão seguindo as demandas agressivas da linha dura de ultradireita por tais objetivos. fomentar conflitos internos e criar o caos para minimizar a influência do país. A política dos EUA em relação a Cuba, Venezuela e Nicarágua prova que o presidente dos EUA, Joseph Biden, e os estrategistas do Partido Democrata também estão seguindo as demandas agressivas da linha dura de ultradireita por tais objetivos. fomentar conflitos internos e criar o caos para maximizar a influência do país. A política dos EUA em relação a Cuba, Venezuela e Nicarágua prova que o presidente dos EUA, Joseph Biden, e os estrategistas do Partido Democrata também estão seguindo as demandas agressivas da linha dura de ultradireita por tais objetivos.

Uma razão para isso é a influência cada vez menor dos EUA na transição de uma ordem mundial unipolar para multipolar. Segundo Zoltan Pozsar, analista do Credit Suisse, em 27 de dezembro, a nova ordem não será moldada pelos países industrializados do G7 ocidental, mas pelas economias emergentes dos países do BRICS. A expansão para o “BRICS plus” promovida pela China e pela Rússia tornará ainda mais difícil para a economia americana o acesso a matérias-primas na Eurásia, Oriente Médio e África. “A Ucrânia é um buraco negro e uma UE fraca, forçada por Washington a comprar gás natural liquefeito (GNL) dos EUA a preços absurdamente altos, não tem recursos essenciais para o império saquear”, destacou o jornalista brasileiro Pepe Escobar na revista online The Cradleum cenário sombrio para os EUA. O jornalista científico salvadorenho Igor Iván Villalta Sorto escreveu no portal online Resumen Latinoamericano que “se os Estados Unidos perderem seu domínio global, mas mantiverem a América Latina, ainda poderão ser muito fortes, dada a riqueza de recursos do continente”. Regimes amigáveis ​​aos EUA em países com reservas minerais particularmente grandes, como Argentina, Bolívia e Chile (lítio), Venezuela (petróleo), Peru (prata, molibdênio), Brasil (ferro, estanho) e até Cuba (cobalto) poderiam, portanto, tornar a economia uma questão de sobrevivência.


compass black

Este escrito originalmente em alemão foi publicado pelo jornal “JungeWelt” [Aqui!].

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s