Duzentos milhões de trouxas sendo explorados por seis bancos: a frase que explica mais do que parece

Manaus vive caos sanitário por casos de COVID-19 - ISTOÉ Independente

O jornal “Le Parisien” publicou neste domingo (10/05) o resultado de uma pesquisa feita sobre as perspectivas que milhões de franceses estão tendo sobre a volta ao trabalho a partir de amanhã, ainda em meio à pandemia da COVID-19. O resultado é que os trabalhadores franceses estão voltando ao trabalho com um sentimento nada agradável, pois a maioria se preocupa mais com a sua saúde do que com os efeitos da crise econômica.

le parisien economia saude

Se levarmos em conta que na França o apoio financeiro dado pelo Estado aos trabalhadores desempregados tem sido muito mais significativo do que o oferecido no Brasil pelo governo Bolsonaro, e de que lá as restrições impostas a quem voltar a funcionar deverão ser fiscalizadas com maior rigor do que por aqui, poderia soar exagerada o fato da maioria privilegiar a saúde em vez da economia. Entretanto, isto está muito provavelmente ligado ao grau de entendimento que os trabalhadores franceses possuem acerca dos pesos e medidas que devem ser usados para regular a relação entre capital e trabalho.

Já aqui no Brasil, o fato de que, mesmo antes da pandemia se manifestarem território nacional, quase 20 milhões de trabalhadores estivessem desempregados e que quase 40 milhões de brasileiros estivessem obtendo seus parcos ganhos em atividades informais, acaba impondo uma realidade dramática que leva a que a relação aqui seja invers, e que muitos queiram trabalhar (seja no que for) para amealhar dinheiro que possa colocar comida no prato.

Essa realidade dramática decorre de uma decisão racional das elites brasileiras em prol do rentismo que encolhe o número de empregos, precariza o trabalho e achata o valor dos salários. Não é à toa que, em um momento de sinceridade, o ministro da Fazenda do governo Bolsonaro, o banqueiro Paulo Guedes, afirmou em uma videoconferência promovida pelo banco Itaú que “somos 200 milhões de trouxas sendo explorados por seis bancos..“. 

200 milhões de trouxas

Como banqueiro que é, Paulo Guedes sabe muito bem do que está falando. É que desde muito tempo são os banqueiros que controlam a economia e o sistema político brasileiro.  Para quem não se lembra, o anúncio da indicação de Antonio Palocci para ocupar o cargo de ministro da Fazenda no primeiro mandato de Lula ocorreu dentro da sede do Clube de Washington e que o presidente do Banco Central naquele governo foi Henrique Meirelles, ex-presidente do Bank of Boston.

Mas, esse controle só foi aumentado com o impeachment de Dilma Rousseff que era vista como um obstáculo para o avanço dos ganhos já estratosféricos dos donos dos bancos.  Não é à toa que desde então,  os trabalhadores brasileiros foram alvo de várias investidas que lhes retiraram direitos sociais e trabalhistas, a começar pela famigerada PEC  241 (a do Teto de Gastos) que congelou os investimentos públicos em saúde, educação e assistência social por 20 anos. 

E é justamente a vigência plena da PEC 241 que está não apenas impedindo que existam os recursos necessários para dotar o SUS das condições necessárias para assistir os trabalhadores contaminados pelo coronavírus, mas também representa um grande obstáculo para qualquer retomada da economia brasileira que se encontra em um espiral descendente.

Por isso, toda a cantilena feita pelo presidente Jair Bolsonaro sobre a necessidade de se quebrar as ações de isolamento em nome da volta das atividades econômicas e da retomada dos empregos não passa disso. E, pior, toda essa conversa de priorizar a atividade econômica sobre as necessidades de se proteger a saúde dos brasileiros não passa de um cortina de fumaça para esconder o que o ministro da Fazenda reconheceu de forma tão sincera, qual seja, que somos 200 milhões de trouxas sendo explorados por 6 instituições financeiras que só têm feito aumentar seus lucros bilionários enquanto valas comuns estão sendo abertas pelo Brasil afora para receber os trabalhadores mortos pela COVID-19.

É com essa disparidade que teremos de nos defrontar no período pós-pandemia, sem que precisemos nos distrair com as pantomimas rocambolescas dos seguidores mais ardorosos de Jair Bolsonaro. Seguidores esses que, se continuarem se expondo de forma tão irresponsável ao processo de infecção pelo coronavírus, brevemente serão lembrados como kamikazes de uma causa perdida.

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s